De onde vêm os seus medos?

Aprenda a identificá-los e superá-los

Sentir medo pode nos proteger, em alguns casos, mas também pode nos paralisar. Com facilidade, uma pessoa aponta quais são os medos que sente. Mas pensar no porquê de eles existirem muda um pouco o quadro. Estes medos - em alguns casos irracionais – podem ser armadilhas da nossa mente e do nosso ego que, na verdade, revelam questões não resolvidas do passado interiorizadas pela psique. 
 
A MetLife entende que identificar medos é o primeiro passo para o autoconhecimento e superação. Como eles são criados por nossas inseguranças, saber lidar com nossas fraquezas é o ponto chave para a evolução. Em um mundo que se transforma cada vez mais rapidamente e exige de nós segurança para nos adaptar a essas mudanças, isso é fundamental. Para ajudar você, separamos algumas dicas que ajudam na tomada de decisões. 

 
Ouça o seu corpo e as suas emoções 

O primeiro passo é não mentir para si sobre a existência de algum medo. Não precisa fingir ser alguém que você não é. Além disso, o corpo dá sinais físicos (nó na garganta, suor, tremores, batimentos cardíacos acelerados, frio na barriga, etc) como resposta à questão emocional.

Precisamos aprender a ler esses sinais. A solução não é negar as reações, mas sim entender como elas funcionam para que consigamos nos acalmar. 
 
Analise seus pensamentos 

O seu dia é mais preenchido por pensamentos positivos ou negativos? Se a resposta for a segunda opção, não deixe de questionar a existência deles. 

Sempre que um pensamento negativo surgir (sobre qualquer coisa), se pergunte se isso faz parte da sua natureza e afaste-os. Mentalize comandos positivos para o seu cérebro, acalme-se e tente mudar o foco. Nossas mentes podem reagir de forma obsessiva e auto-sabotadora, criando realidades e “monstros” que nos bloqueiam. 
 
Respire da forma certa e medite

A forma da nossa mente agir nos diz muito sobre o tempo em que estamos vivendo. Ao nos prendermos a medos e inseguranças, muitas vezes criamos histórias que só existem em nossas cabeças e deixamos de lado o mais importante: viver o presente. 

Meditar e respirar corretamente são práticas infalíveis para nos reconectarmos e limparmos pensamentos tóxicos. Há várias formas de meditar e você pode fazê-la sozinho em casa. Dez minutos diários já provocam uma grande diferença para a sua saúde mental. 
 
Peça apoio 

Existe algo mais comum do que o medo de expor seus medos? Procurar ajuda de amigos, familiares ou até mesmo de um profissional é uma atitude correta e sensata que fala muito sobre ter amor próprio. Não há motivos para se sentir ofendido ou envergonhado por isso. Buscar tratamento e apoio psicológico é ter autocuidado.