Conheça Miguel Nicolelis, o homem que usa a tecnologia para salvar a humanidade

O renomado cientista mostra como é possível fazer maravilhas com a força do pensamento em conjunto com a ciência

Muitas pessoas têm receio sobre a importância da tecnologia em nossas vidas. Em resposta a esse temor, o cientista Miguel Nicolelis conseguiu provar como é possível usar o avanço científico contínuo (e por vezes radical) em favor do ser humano. Com diversos prêmios, Nicolelis já fez diversas benfeitorias com a ajuda da ciência e estuda trazer mais novidades para os próximos anos.

Nós na MetLife entendemos que todo o esforço para o bem da população deve ser relevante. Por isso, resolvemos mostrar para você um pouco da história de um dos cientistas brasileiros mais renomados no mundo.

Você lembra do jovem que chutou a bola em campo no início da Copa do Mundo de 2014? Essa foi uma vitória realizada por Miguel Nicolelis. Na época, o cientista criou um exoesqueleto, equipamento em que o jovem Juliano Pinto, de 29 anos, com paraplegia completa do tronco inferior e membros inferiores, usou para ficar de pé e chutar a bola em direção ao campo.

A experiência mostra como a força do pensamento é poderosa. Na ocasião, uma touca captou as atividades elétricas do cérebro, assim, quando o voluntário se imaginou caminhar por contra própria, os sinais produzidos por seu cérebro foram coletados pela touca e enviados a um computador que ficou nas costas da vestimenta, o exoesqueleto, gerando o movimento da perna.

Outro experimento interessante conduzido por Nicolelis fez com que as ondas cerebrais viajassem pela internet para controlar um robô do outro lado do mundo. Uma macaca caminhou sobre uma esteira, nos Estados Unidos, enquanto assistia à transmissão do vídeo das pernas de um robô no Japão. Depois de desligada a esteira, a primata continuou controlando o robô por mais alguns minutos, somente com a força do pensamento.

Nicolelis é um dos principais nomes da ciência brasileira. Em 2009, o engenheiro foi considerado um dos 20 maiores cientistas da atualidade pela revista Scientific American. Além disso, foi premiado cinco vezes pela International Academy of Digital Arts and Sciences que o nomeou por cinco vezes destaque científico, além de retratado como uma das 50 personalidades mundiais do ano de 2014.

Objetivo e preocupação

O cientista deseja integrar o cérebro humano com máquinas, ou seja, neuropróteses ou interfaces cérebro-máquina, para que em casos como esses citados, o ser humano possa continuar vivenciando sensações com todos os movimentos do corpo. Ele já tem testado o experimento e ajudado algumas pessoas impossibilitadas de se locomover a conseguir movimentar os membros.

No entanto, o conflito do especialista é o descaso do Brasil diante da ciência. Para ele, há um certo preconceito dos políticos que inibem o investimento em tecnologia, considerado como luxo abstrato.

Nicolelis ainda quer mudar essa visão de mundo, já que não há esforço para mostrar a sociedade e a população quão vital é apoiar a ciência para o desenvolvimento do brasileiro. As provas já estão aí, né?