Como funciona a licença paternidade pelo mundo?

Aqui na MetLife temos um modelo inclusivo para casais homoafetivos e adoção

Em junho de 2018, um estudo da UNICEF mostrou que 90 milhões das crianças do mundo menores de 1 ano de idade vivem em países em que seus pais não têm direito a licença paternidade. Nesses países, inclusos China, Índia e EUA, fica a cargo da empresa que tipo de benefício os recentes papais terão. 
 
Em todo Brasil, a licença paternidade é um direito trabalhista e garante 5 dias a partir do nascimento ou adoção. Aqui na MetLife, por exemplo, temos a opção de extensão da licença paternidade e a inclusão da licença paternidade homoafetiva, que estende para pais o mesmo prazo legal garantido a mulher. 

A licença paternidade estendida funciona com os 5 da lei + 15, totalizando 20 dias corridos a partir da data de nascimento/adoção. Funcionários do serviço público federal e participantes do Programa Empresa Cidadã também contam com o período de 20 dias. 
 
Pelo mundo, cerca de 92 países não possuem uma agenda nacional que permita que pais se ausentem do trabalho de forma remunerada para cuidar de seus recém-nascidos. 

Por outro lado, tem-se notando um movimento mundial a favor disso, afinal para garantir equidade de gênero tanto em casa como no ambiente de trabalho, permitir que os homens desempenhem um papel mais ativo no cuidado de seus bebês é fundamental.

4 curiosidades sobre a licença paternidade 
 
1- O padrão 
 
A maior parte dos países não garante o direito, que ou fica a cargo do empregador, ou adota o padrão de até 1 semana. Já a licença maternidade remunerada é garantida em 185 países de acordo com estudo da UCLA. A análise também aponta que a licença maternidade chega a pelo menos 14 semanas em 106 países. 
 
2- Ásia na liderança 
 
Japão e Coreia do Sul saem na frente oferecendo 1 ano de licença paternidade remunerada, entretanto poucos pais utilizam o benefício integralmente. 
 
3- EUA na contramão?

Os EUA são um dos 8 países no mundo em que não há uma política nacional que garanta o direito. Surpresa, se tratando de um país em que a taxa de natalidade chega a quase 4 milhões. Entretanto, existe um movimento crescente de alguns estados do país em incentivar a iniciativa.  

Isso sem contar algumas empresas do Vale do Silício, como Google, que proporciona 22 semanas para mulheres (podendo adicionar 4 semanas pré-parto), 12 semanas para os homens e pais adotivos, e ainda disponibiliza uma verba para que as famílias comprem comida pronta, porque afinal quem tem tempo de cozinhar com um bebê em casa? 
 
4 - Fora da caixa 
 
Como já explicamos, nós da MetLife defendemos a licença paternidade estendida e inclusiva para casais homoafetivos, fertilização in vitro para barrigas solidárias (até 120 dias) e adoção (também podendo chegar a 120 dias dependendo da faixa etária da criança). Por falar em adoção, a MetLife USA se destaca como empresa adoption-friendly, figurando há 9 anos a lista da Dave Thomas Foundation “100 AMBIENTES DE TRABALHO QUE APOIAM ADOÇÃO”. 
 
Para quem tem filhos é ainda mais importante garantir um futuro estável. Sempre pensando nas suas necessidades, a MetLife oferece opções de seguros de vida adequadas para todos os perfis. Conheça e avalie a contratação.