É correto avaliar o comportamento de funcionários nas redes sociais?

Muitas empresas ficam atentas ao que seus colaboradores postam nas redes sociais por precaução e segurança das informações

Atualmente, as redes sociais se tornaram uma espécie de vitrine, pois podemos acompanhar, de perto, o que as pessoas postam, pensam ou compartilham. O problema é que nem todo mundo tem noção das consequências que o ambiente virtual pode trazer. Diante desse contexto, surge uma dúvida: será que é correto as empresas avaliarem o comportamento dos seus colaboradores nas redes sociais? Veja o que a MetLife aborda sobre esse polêmico assunto e tire suas conclusões. 

Não existe a divisão entre público e privado

No território virtual, não existe a divisão entre o que é público e o privado. Todos têm acesso a praticamente tudo nas redes sociais. Por isso, muitas empresas ficam de olho no que seus colaboradores compartilham ou postam e nas possíveis repercussões que tais ações podem acarretar. 

Advogados trabalhistas afirmam veementemente que o mau uso das redes sociais pode ocasionar demissões, inclusive por justa causa. Esses casos são cada vez mais comuns no mercado, por incrível que pareça. As empresas, além de estarem de olhos abertos nos perfis dos seus colaboradores, ainda recebem denúncias de quem está vendo conteúdos impróprios. 

O perfil nas redes sociais é um dos critérios decisivos

Tanto para contratar quanto para demitir. Na verdade, a empresa precisa de fato entender como o colaborador se comporta quando não está dentro do ambiente de trabalho e como suas atitudes podem ou não prejudicá-la, em diversos aspectos. Afinal, tudo no mundo online pode ser facilmente acessado. 

Dependendo do caso, a avaliação do perfil nas redes sociais é fator decisivo para uma eventual demissão. A grande questão é que através das redes sociais é possível conhecer melhor o lado pessoal do colaborador que não é demonstrado no dia a dia.  

Redes sociais: ferramenta para o bem e para o mal

As redes sociais podem ser trazer diversas vantagens para as empresas que souberem tirar bom proveito delas, pois existe um lado bastante positivo nesse cenário de exposição ao extremo. Colaboradores engajados com trabalhos voluntários em ONG´s, por exemplo, são muito bem vistos pelas empresas, que podem ter a noção do que eles fazem quando não estão trabalhando. 

Por outro lado, é possível avaliar através das postagens e compartilhamentos do colaborador nas redes sociais, se suas atitudes são condizentes com o cargo que ele ocupa e como elas podem, de uma certa forma, prejudicar a empresa no futuro. É uma faca de dois gumes! 

Mas como fica a privacidade? 

Essa é uma dúvida que aflige milhares de pessoas. O principal motivo de diversas empresas monitorarem as redes sociais dos seus colaboradores, é a preocupação com a segurança das informações e reputação no mercado. Outro motivo é a prevenção de possíveis crises que podem acontecer com atitudes incorretas ou mal pensadas.  

A privacidade no mundo virtual praticamente não existe. A separação da vida profissional da particular é uma linha tênue. Talvez uma boa alternativa seja uma menor exposição nas redes sociais, por causa da sua grande repercussão. 

Polêmicas à parte, o fato é que se você não quiser ser surpreendido por sua chefia por causa de uma postagem inadequada nas redes sociais, seja cauteloso e não se exponha ao extremo.