Leilões virtuais: como se capitalizar repassando aquilo que você não quer mais

Plataformas ajudam a revender produtos. Mas, responsabilidade no uso do valor é ainda importante

Quando a gente começa a estudar um pouco de educação financeira, começa a resignificar a questão do apego que temos a alguns produtos que fomos comprando e acumulando ao longo do anos. Isso porque quem lida de forma mais saudável com o fluxo de capital que geramos e acumulamos, sabe que ele deve existir em função da criação e manutenção de experiências que vão melhorar a nossa qualidade de vida. 

E, se para isso, for necessário se desfazer de um antigo toca-discos, ou de algumas peças de roupa no seu abarrotado closet, quem tem um compromisso com a qualidade de vida não pensa duas vezes. Levantar algum dinheiro extra usando esse pensamento é hoje ainda mais fácil em função das plataformas que temos à disposição, como os brechós online.

O conceito dos brechós online nos últimos anos

A ideia de vender roupas e produtos usados não é exatamente nova no mundo digital. Durante os 20 anos que a internet comercial começou a chegar no Brasil, ela já assumiu várias formas. 

Primeiro foram as listas de e-mails nos quais se passavam os produtos entre amigos, depois, vieram as comunidades no Orkut destinadas ao tema, seguidas por perfis no Facebook e Instagram. Mais recentemente, a tendência tomou ares de negócio, com o surgimento de algumas plataformas exclusivas para esse fim, que mediante alguma comissão, oferecem ferramentas bastante interessantes para organizar e expor o seu acervo de produtos.

Como escolher bem a sua plataforma

O primeiro passo é identificar o nicho do seu produto. Isso porque esses ambientes têm um forte apelo de comunidade, ou seja, acertar o tipo de grupo no qual você vai anunciar aumenta as chances de uma venda rápida. Em um rápido panorama, as comunidades podem atender a um nicho específico, por exemplo, moda; ou ainda ter seções por tipos de produtos (eletrônicos, colecionáveis, carros), como um pequeno portal. 

As tendências mostram que o engajamento em plataformas que atendem a menos nichos tendem a ser maior. Dependendo, então, do produto que você pretende revender, pode ser uma boa escolha. Itens com forte apelo à determinada comunidade, por exemplo, uma lente específica para câmera semiprofissional, pode encontrar um retorno maior neste caso. 

Mas, se o seu produto tem baixa diferenciação, por exemplo, um suporte de TV, anunciar em pequenos portais pode garantir resultado melhor, uma vez que a quantidade visitantes será maior.

Importante: o comportamento que você deve ter como vendedor da mercadoria é o mesmo que em qualquer transação envolvendo o meio digital. Ter certeza dos antecedentes da conta que está consultando você, combinar meios de pagamento confiáveis (algumas das plataformas tem um sistema de pagamentos que garante o recebimento) e proceder corretamente com o sistema de entrega combinado.

Preparando para receber o dinheiro

Colocamos esta parte do post por aqui por mera questão didática mas, na prática, você deve configurar isso antes de realizar a primeira venda! Algumas das plataformas hoje, oferecem até mesmo sistemas de pagamento próprios, nos quais os interessados pagam com o cartão de crédito do lado de lá e você, do lado de cá, recebe um valor em sua conta no ambiente, podendo descontar ou acumular para usar como moeda em suas próprias compras. Dependendo do contrato estabelecido entre você e a plataforma, podem ser cobradas taxas de administração. Atenção a esse ponto!

Como usar com sabedoria o que ganhar com a venda

Conseguir uma forma de complementar a sua renda ou se capitalizar em um momento mais difícil pode ser uma boa saída. Mais do que isso, saber o que fazer com a grana levantada é ainda mais importante. 

A primeira dica é evitar transformar o resultado dessas vendas como parte da renda fixa em seu orçamento. Isso porque esse resultado será sempre flutuante e até sazonal - vai variar de acordo com a época do ano. Assumir compromissos financeiros contando com a venda desses itens é um risco e tanto. E, mesmo que as suas vendas decolarem, é importante refletir com calma, evitando converter de imediato os ganhos em novos produtos, comportamento muito comum em plataformas de moda.

Em um grande resumo: hoje é mais fácil revender produtos e levantar algum dinheiro. Mas, o comportamento racional e o uso correto do valor levantado ainda valem como regras, mesmo nesse novo mundo. Pense nisso e boas vendas!