Antecipar a restituição do imposto de renda é um bom negócio?

Na maior parte das vezes, não. Entenda quando usar essa ferramenta financeira pode ser interessante

A correria do dia a dia, às vezes, faz com que o nosso planejamento financeiro não seja tão perfeito quanto gostaríamos, não é mesmo? Por isso, quando a possibilidade de antecipar uma graninha surge, é difícil não buscar essa possibilidade.

Bem, mas será que a antecipação da restituição do Imposto de Renda é uma boa aposta? Nossa aquipe MetLife elencou alguns detalhes importantes para ser colocados na balança no momento de realizar essa opção. 

Como funciona a restituição e quando ela pode ser recebida?

Essa ferramenta é utilizada pela Receita Federal para que o órgão seja capaz de realizar o ajuste de valores pagos, caso o contribuinte tenha pago mais imposto que o devido.

Já quanto ao calendário, seu funcionamento acontece em sete lotes que começam a ser distribuídos a partir de julho e vão até dezembro. Nesse caso, quem entrega a declaração primeiro, recebe a restituição nas primeiras datas.

Vale a pena antecipar a restituição?

De forma geral, existe somente um caso no qual a restituição é interessante: Pagar dívidas mais caras do que o valor desse serviço. Como assim?

Bem, a antecipação é um serviço bancário e funciona como um empréstimo que deve ser pago em parcela única até a data do último lote de restituição. 

Por isso, para que o valor seja antecipado, será necessário pagar uma taxa de juros que deve ser levada em consideração para saber se é interessante ou não realizar o pedido.

Uma dica importante, caso antecipar o imposto seja uma opção: vale a pena fazer uma pesquisa em todos os bancos que trabalham com esse serviço para verificar a taxa de juros e só então partir para o contrato.

Atenção para não pagar ainda mais pelo serviço

É sempre bom lembrar que, em caso de algum problema com a declaração, a restituição pode levar mais tempo para chegar e isso vai gerar problemas para o pagamento da antecipação.

Por isso, também é importante se programar para caso aconteça esse imprevisto e deixar um dinheiro reservado para não pagar ainda mais juros pela antecipação.

Não antecipe para compras de bens de consumo ou outras necessidades

Se a intenção é pegar esse valor para comprar produtos, pagar uma viagem ou gastar em outros projetos, o ideal é que a antecipação não seja feita.

Vale a pena conversar com as lojas para buscar efetuar a compra parcelada sem juros ou algum outro tipo de modalidade, para não perder dinheiro.