Consumismo na terceira idade: dicas para evitar o descontrole financeiro

Idosos estão cada vez mais ativos no mercado de bens e consumo. Conscientização e planejamento financeiros são necessários para evitar o endividamento

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) com pessoas acima de 60 anos nas 27 capitais brasileiras revela que o consumidor da terceira idade tem aumentado o seu potencial de consumo. De acordo com os dados da pesquisa, os idosos têm mudado suas prioridades de consumo, e hoje, 41% deles afirmam gastar mais com produtos que desejam do que com itens relacionados às necessidades básicas. 

Com mais tempo livre para se dedicar às compras, são necessários alguns cuidados para que os novos hábitos de consumo dessas pessoas não se tornem uma armadilha. 

Hoje, pensando na sua saúde financeira, nós vamos dar dicas para fugir de algumas pegadinhas de consumo que podem comprometer a renda do idoso e causar seu endividamento. Vamos lá! 

1 - Anote os gastos no cartão 

Ter controle nos gastos com o cartão de crédito é fundamental para não cair no endividamento. Nem sempre o limite disponível no cartão é compatível com a sua renda. Anote seus gastos ou use o aplicativo do próprio cartão para saber quanto está gastando. 

2 - Faça a lista de compras do supermercado 

Por dispor de mais tempo livre, muitas vezes o supermercado acaba sendo o passeio diário de muitos idosos, e consequentemente, eles acabam comprando mais que o necessário. Por isso, antes de ir ao mercado, veja o que realmente precisa ser comprado e leve dinheiro em espécie como uma forma de evitar compras por impulso. 

3 - Pesquise e compare preços 

Utilize seu tempo livre com sabedoria: pesquise e compare preços. 

O valor de um produto pode variar até 200% de uma loja para outra e isso se aplica também a produtos de supermercados e feiras. 

4 - Só compre medicamento se houver necessidade e com receita médica  

Não trate os remédios como bens de consumo. Medicamentos só se compram quando necessários e indicados por médicos. Não dê ouvidos a recomendação de terceiros, afinal, não é porque resolveu o problema de uns que resolverá o seu. Além de ser um gasto desnecessário, pode também ser um perigo a sua saúde. 

5 - Faça um bom planejamento financeiro 

Pode parecer difícil, mas é mais simples do que muita gente imagina. 

Separe seus gastos em ABCD: 

  • A - alimentação;

  • B - básico (aluguel, contas da casa, plano de saúde); 

  • C - contornável (gastos que você pode cortar em caso de problemas financeiros, por exemplo, assinaturas de revistas, TV a cabo, cursos, etc.);

  • D - desnecessário (gastos questionáveis como anuidade de cartão de crédito e coisas que não fazem diferença em sua vida).

Ao classificar seus gastos por categorias, você consegue entender aquilo que é supérfluo, o que é necessário e o quanto de dinheiro você pode investir em cada uma delas de acordo com seu orçamento, é claro.