Homens e mulheres na terceira idade: quem poupa mais?

Acesso ao mercado de trabalho e nível de renda mensal são fatores fundamentais para conseguir poupar para a velhice

Mesmo que o cenário atual esteja mudando rapidamente, as últimas décadas foram marcadas por uma expansão recorde na poupança da população em geral - assim como por uma grande variedade nas formas de investir dinheiro, seja em pequenas ou grandes quantidades. Muitas pessoas que tiveram um bom planejamento financeiro ao longo da vida estão, hoje, usufruindo da vellhice com tranquilidade. A capacidade de poupar nos anos mais produtivos da vida, claro, depende de diversos fatores. Alguns dos mais notórios são a renda mensal, o custo de vida na cidade de moradia e o gênero. 

A MetLife sabe que a terceira idade traz mudanças importantes às quais é necessário adaptar-se. A meta de padrão financeiro sonhada durante os anos mais produtivos pode ser alcançada ou não. Independente de qual é a sua situação, nós podemos ajudar a tornar esta fase mais segura e tranquila.  

Quase 50% das pessoas na terceira idade poupam, diz SPC

Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), quase metade da população idosa no Brasil tem algum tipo de poupança. São pessoas que nasceram mais ou menos na primeira metade do século 20 e que começaram a trabalhar entre as décadas de 1940 e 1970. 

Sabe-se que, nestas épocas, homens e mulheres tinham oportunidades de trabalhar radicalmente marcadas por seus gêneros. Diferentes pesquisas comprovam também que a renda média das mulheres é, até hoje, menor do que a dos homens. Isso tudo, é claro, influenciou na capacidade de homens e mulheres de poupar para a velhice de 2019. 

As camadas da população que recebem menos costumam direcionar sua renda mensal para necessidades cotidianas, como pagar contas e fazer compras para a casa, além de atividades de lazer prioritárias. Com rendas médias menores, a tendência é que as mulheres tenham uma capacidade de poupar reduzida em relação aos homens com a mesma condição social e de qualificação.

Homens têm mais acesso a serviços bancários  

Pesquisas indicam também que mulheres usam mais o 13º salário para pagar dívidas e comprar presentes de fim de ano para parentes e amigos, enquanto os homens tendem a poupá-lo para situações futuras. 

Esta é apenas uma situação sazonal que ilustra o cenário mais amplo: na América Latina, por exemplo, o acesso a serviços bancários básicos, como conta corrente, alcança quase o dobro de homens do que de mulheres. 

Estímulo do poder público ajuda poupança de idosas

Para diminuir as diferenças na capacidade de homens e mulheres pouparem para a velhice, diversas entidades recomendam mais incentivo do poder público à poupança. Algumas entidades também indicam que são necessárias políticas específicas para as mulheres para diminuir estas disparidades, no futuro.  

De todo modo, há uma tendência de que este cenário melhore, pelo menos um pouco, nas próximas décadas. Com a enorme inserção das mulheres no mercado de trabalho, é provável que as próximas gerações de idosos sejam menos desiguais neste quesito. Cada vez mais mulheres poderão poupar para garantir mais conforto durante a aposentadoria.

Uma melhor capacidade de se planejar financeiramente é fundamental para encarar imprevistos, ter uma garantia de um futuro melhor para a família ou realizar uma viagem de sonhos. Embora ainda haja muitas disparidade, as mulheres estão cada vez mais conquistando esta capacidade.