Dente do siso: extrair ou não?

Há casos em que não há escolha e o dente do siso deve ser extraído pelo bem da sua saúde bucal. Conheça os sintomas e os casos em que a extração é necessária

O dente do siso nasce no início da vida adulta e é uma das principais preocupações que envolvem a saúde bucal. Muitas vezes, ao nascer, ele não se acomoda corretamente na boca e pode ocasionar problemas na mordida ou inflamações. 

Quando isso acontece, o mais indicado é a extração do dente, no entanto, ela ainda é um procedimento que divide opiniões. Por isso, preocupados com a sua saúde bucal, nós vamos te ajudar a identificar possíveis sinais que estão relacionados à problemas no siso e como tratá-lo.  

Os primeiros sinais do dente do siso 

O dente do siso, tecnicamente conhecido como terceiro molar, provoca um leve incômodo na região ao nascer, o que é considerado normal pelos dentistas. Porém, quando esse desconforto permanece por vários dias, seguido de dor aguda e inchaço, com certeza é um indicativo de que algo está errado. 

Um siso mal posicionado ou retido dentro da gengiva pode levar a um processo infeccioso e causar alguns transtornos como: 

  • Dor durante a mastigação; 

  • Fragilidade na mandíbula; 

  • Gengiva inflamada; 

  • Cistos e tumores benignos na região; 

  • Enxaqueca; 

  • Mau cheiro na boca. 

Quando a extração do siso é indicada? 

A indicação da cirurgia para a retirada dos dentes do siso, chamada de exodontia, varia para cada caso, ao consultar o dentista ele indicará se é melhor manter ou retirar o dente

Como é feito o procedimento? 

Na maioria dos casos a extração dos dentes do siso é tranquila e sem complicações. Ela é feita no próprio consultório do dentista, com anestesia local e os instrumentos adequados. Após a cirurgia a área é suturada e o paciente deve dar preferência a alimentação fria e liquida e seguir as orientações do dentista.

Pós-operatório - dicas e cuidados  

Como mencionado acima, a extração do siso é, em geral, um procedimento simples e dificilmente os pacientes apresentam complicações. 

Mas, para que o pós-operatório seja eficiente e o paciente tenha uma boa cicatrização, são necessários alguns cuidados: 

  • Tome corretamente a medicação prescrita; 

  • Evite a ingestão de alimentos muito quentes e duros nos primeiros dias; 

  • Evite bebidas alcoólicas; 

  • Capriche na higiene oral. 

Além disso, é necessário o acompanhamento pós-cirúrgico com o dentista responsável pela extração. Somente ele pode avaliar o resultado da cirurgia e orientar cada paciente da maneira correta.