Devo mudar a faxina em casa por causa da quarentena?

Rotina é mais importante do que nunca, mas precisa ser adaptada

A correira de uma vida cheia de afazeres, de repente, se viu limitada em função do isolamento social. Mas, quem pensa que as responsabilidades em casa cessaram em função disso, se engana. 

Na verdade, aumentaram. Muitos veículos de imprensa registraram a surpresa de famílias que, ao chegarem em casa, se depararam com as rotinas de limpeza, roupas, faxina e descobriram o quão trabalhoso pode ser.

Que tal usar a criatividade e bom-senso para ajudar a resolver essas e outras barreiras? A MetLife reuniu algumas dicas básicas que vão da segurança na desinfecção de produtos de limpeza à empatia com quem depende deste tipo de trabalho para sobreviver. Vamos juntos!

Primeiro, proteção nas mãos e limpeza dos próprios itens

A rotina a faxina em sua casa é muito importante não só para o bem estar de toda a sua família como para proteger a todos nesse momento tão especial. Em função disso, alguns procedimentos que você já fazia desde sempre precisam sofrer pequenas alterações. O que antes era feito com alguma pressa e da forma mais ágil possível, precisa contar com boas práticas de proteção.

Por exemplo, comece protegendo as mãos com luvas de limpeza - facilmente encontradas em supermercados. Isso vai ajudar não só a evitar que os produtos de limpeza agridam a pele das mãos, que é mais fina, como vai evitar que qualquer superfície contamine você na hora da limpeza.

Vale lembrar que, ao comprar novos produtos de limpeza, você deve proceder a higienização dos mesmos, com álcool em gel ou produtos anti-bactericidas.

Colaboração de todos: por que não?

Mas não é só o método de limpeza que muda: a forma como todos ajudam também tem que se adaptar. Isso porque com todos em casa é normal que mais coisa fiquei fora do lugar e em menos tempo. Reúna a família na sala de estar e atribua tarefas e responsabilidades para que a sua casa funcione como um grande time colaborativo: a função de um ajuda na função de outro e todos ganham mais tempo coletivamente.

Vale espalhar plaquinhas com avisos pela casa ("Sujou, lavou"; "Desarrumou, organize"), manter um quadro para os pequenos acompanharem suas tarefas e trocá-las por presentinhos no final de semana e toda e qualquer abordagem criativa para manter o clima, dentro do possível, leve.

Diaristas: momento é de empatia

Um ponto muito importante é que com as rotinas de isolamento social, diaristas perderam as suas fontes de renda. Todos nós estamos passando por sacrifícios, sejam eles materiais ou psicológicos, e é o momento de exercitar um dos mais nobres sentimentos humanos, a empatia.

Por isso, dentro de suas possibilidades, é um gesto e tanto tentar manter um mínimo de renda para essa força de trabalho. Uma boa conversa pode resolver esse impasse de forma positiva e garantir que todos passemos juntos por essa. Pense nisso!