Por que existe tanta polêmica ao redor do uso de agrotóxicos no Brasil?

Há quem concorde e discorde do uso de agrotóxicos em plantações, que têm vantagens e desvantagens

Em tempos de preservação do meio ambiente, fala-se massivamente no uso de agrotóxicos no Brasil. Usados para eliminar pragas, insetos, bactérias e fungos em plantações, o uso indiscriminado de agrotóxicos está causando muita polêmica. A MetLife preparou esse artigo que vai apresentar um rápido panorama com as vantagens e desvantagens do uso dessas substâncias e o que pode ser feito para que as consequências sejam menos danosas à nossa saúde em geral. 

Uso cada vez maior de agrotóxicos é preocupante

O ritmo de liberação do uso de agrotóxicos no Brasil em 2019 já é o maior registrado na história. As aprovações por parte do governo vem crescendo desde 2016. Só para se ter uma ideia, mais 169 novos produtos foram liberados até maio deste ano.  

Somente em 2018, foram usados 540 mil toneladas de agrotóxicos no Brasil. A questão da monocultura também vem sendo amplamente discutida na sociedade. A soja e o milho são os campeões disparados e, juntos, somam nada menos que 215 milhões de toneladas em 2018/2019. O problema é que cerca de 92,2% de toda essa quantidade é exportada para Europa, Ásia e EUA. 

Vantagens

Não podemos negar que o uso dos agrotóxicos é um mal necessário no controle de doenças e pragas em grandes plantações. O resultado é um considerável aumento da produtividade de diversos produtos que chegam à nossa mesa. 

Sem o uso dos agrotóxicos, não seria possível atender às enormes demandas das grandes cidades e toda a produção de alimentos entraria em colapso, fazendo os agricultores amargarem grandes prejuízos por causa das infestação de pragas.  

Desvantagens 

Mas como tudo tem o seu preço, o uso de agrotóxicos causa o desequilíbrio ambiental e o desenvolvimento de várias doenças nos humanos. Além disso, essas substâncias ainda podem poluir o solo, as águas e ocasionar o desequilíbrio da fauna e da flora. Os estragos, muitas vezes, podem ser irreversíveis. 

Agrotóxicos nos alimentos e bebidas

Uma vez utilizados nas plantações, os agrotóxicos ainda permanecem na maioria dos alimentos, mesmo depois de lavados. A grande questão é que muitas pessoas ingerem boa parte dessas nocivas substâncias, o que acarreta distúrbios ou doenças graves. Diversos alimentos como cenoura, pimentão, morango, pepino, uva, alface, dentre outros, são os que apresentam as mais altas concentrações dessas substâncias.

Para piorar ainda mais a situação, o Brasil é o maior consumidor desses alimentos em todo o mundo, segundo a Anvisa. Outro ponto que gera muita polêmica é a contaminação indireta de vários alimentos, que acontece durante o processo de cultivo, manipulação e armazenagem.   

Até o chopp, que muita gente adora, também pode conter agrotóxico durante a sua produção, por causa da contaminação indireta dos seus insumos. 

Alimentos orgânicos seriam uma solução?

São inúmeras as vantagens que o consumo regular de alimentos orgânicos podem trazer para a nossa saúde, pois não é usado nenhum tipo de agrotóxico durante o cultivo deles. Mas o custo de produção é cerca de 40% mais caro do que a forma tradicional, o que deixa de ser viável para muitos produtores, além da demanda ser bem mais baixa. 

Polêmicas à parte, o fato é que precisamos de uma política de conscientização massiva sobre os malefícios do uso desenfreado de agrotóxicos no Brasil. Mas parece que isso é um sonho distante!