Silêncio total ou música ambiente? Descubra boas formas de relaxar

Ciência defende teoria de que silêncio e música clássica ajudam

Em um mundo cada vez mais estressante e multitarefa, desplugar da realidade por alguns minutos e permitir-se relaxar por completo e até mesmo recompor seus neurônios pode se tornar uma meta mais difícil de se alcançar do que imaginamos, mas o som ao redor tem um papel importante nesse processo.

Na Metlife defendemos sempre o senso de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal para construção de um ambiente de trabalho melhor e com mais saúde física e mental.

Quando o assunto é relaxamento, você prefere música ambiente ou silêncio total? Se você parar e olhar a sua volta na rua, no trabalho, na academia e etc. vai ver que a grande maioria tende a entrar num mundo particular com seus fones de ouvido, certamente como uma mecanismo para relaxar. Entretanto, o que será que a ciência diz sobre o assunto: silêncio ou música?

Pesquisas científicas sugerem que uma longa, duradoura e regular exposição ao silêncio podem resultar em diminuição do estresse e benefícios para a saúde, como ajudar na renovação das células cerebrais. E nesse caso, é silêncio puro e absoluto (se é que isso é possível). Nada de sons de cachoeira ou recanto dos pássaros.

Por outro lado, a ciência também defende a música clássica como forma de relaxamento e desenvolvimento cerebral. Você já ouviu falar em Efeito Mozart? Ele basicamente consiste no conceito de que ouvir música clássica aumenta a inteligência. Apesar da controvérsia causada pela pesquisa acerca do Efeito Mozart, muitos outros estudos evidenciam que ouvir música pode facilitar o aprendizado, melhorar as funções cognitivas, melhorar o humor e aliviar o estresse emocional ligado a tarefas e trabalhos complexos.

Porém, se você não curte nem o silêncio e nem música clássica como forma de relaxamento, vale desapegar dos estudos e teorias e seguir com o que se aplica melhor ao seu bem estar e ouvir sua voz interior ou sua playlist favorita.